Comunicação acessível:como fazer?

06 fev 2021

Comunicação acessível é essencial, mas, nem sempre valorizada e praticada pelas empresas brasileiras.  Sabemos que a comunicação é uma necessidade humana. Ela cria e fortalece o relacionamento com os públicos, as partes interessadas também chamadas de stakeholders.

Mas, quem pensa em acessibilidade? 

Dessa forma,  o primeiro passo para torná-la eficaz é entender quem é o público da sua audiência. Vamos lá?

Primeiros passos da comunicação acessível

Assim,  para qualquer plano de comunicação integrada ter êxito na era digital, é fundamental saber quem está do outro lado da tela.

Afinal, em parte, o bom posicionamento da marca depende da conexão da empresa com os valores e as reais necessidades de seus diversos públicos.

Embora estejam cada vez mais presentes nas redes, infelizmente, pessoas com deficiência continuam invisíveis para a maioria das organizações.

Então,  mais de 45,6 milhões de pessoas com deficiência, 11 milhões de analfabetos funcionais e 2 milhões de autistas, dentre outros, são excluídos dos processos comunicacionais. Até quando será assim?

Comunicação sem barreiras

De acordo com um levantamento do MWPT – Movimento Web para Todos, menos de 1% dos sites brasileiros cumprem todos os requisitos de acessibilidade. Isso sem contar os perfis em redes sociais como Instagram, Facebook e LinkedIn.

Além do descumprimento do artigo 63 da Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência, que estabelece a obrigatoriedade da acessibilidade nos sites brasileiros, tal fato aponta uma necessidade urgente nas organizações: a comunicação acessível.

Vamos entender o que é uma comunicação acessível. 

Afinal, o que é comunicação acessível?

Parece coisa nova, mas acessibilidade sempre foi algo intrínseco à comunicação, apesar do conceito ser pouco conhecido pela maioria dos profissionais da área.

O termo vem ganhando mais espaço nos últimos anos devido à própria internet. Mais ainda durante a pandemia da covid-19, quando as plataformas digitais se consolidaram como a principal fonte de informação para a população. 

Em seu recém-lançado Guia de Comunicação e Eventos Acessíveis, a Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência de São Paulo resume que “a comunicação acessível e inclusiva pressupõe a ausência de barreiras na comunicação entre as pessoas, na expressão escrita, no acesso a conteúdos em papel, audiovisuais e virtuais, com o intuito de garantir o direito à comunicação e à informação para todos, sem exceção”.

Por onde começar a comunicação acessível?

Atualmente, existem diversos recursos que ajudam a tornar o conteúdo digital mais acessível. Independente da plataforma, a WCAG – Web Content Accessibility Guidelines deve ser a bússola. Ela é um conjunto de diretrizes sobre acessibilidade para conteúdos e produtos digitais.

Dessa forma,  existem várias ferramentas de validação que auxiliam na verificação do nível de acessibilidade nos sites de acordo com as diretrizes WCAG. O próprio MWPT presta essa consultoria gratuita às organizações.

Também há ferramentas que ajudam a fazer auditoria de contraste de cores ou legibilidade de texto.

Por exemplo, outros recursos, como o texto alternativo, tornam as imagens compreensíveis para cegos e pessoas com baixa visão.

Pensar nas condições de promoção de acessibilidade é ter empatia com todos!

4 dicas de acessibilidade nas redes sociais

Vamos agora olhar as dicas para as principais redes sociais, ok?

–  Hashtags com iniciais maiúsculas: é assim que leitores de tela usados por pessoas com deficiência visual conseguem identificar corretamente as palavras-chave nos posts.

– Legenda e Libras nos vídeos: colocar intérprete de Língua Brasileira de Sinais garante a inclusão do surdo. Já a legenda facilita a compreensão para pessoas com deficiência auditiva ou que estejam em locais com ruídos.

– Linguagem simples: o WCAG recomenda que o nível de leitura deve ser compreendido por uma pessoa com ensino fundamental completo. Portanto, a comunicação deve ser clara e objetiva, com frases e parágrafos curtos, sem metáforas ou palavras com duplo sentido.

– Texto alternativo: este recurso está disponível nas principais redes e consiste na descrição da imagem para pessoas que utilizam leitores de tela.

Gostou? Deixe seu comentário!

Autora convidada :  Aretha Fernandes

jornalista focada em Comunicação Acessível e especialista em Gestão da Comunicação Organizacional Integrada.  Dicas sobre comunicação acessível também no Instagram.

Quer saber mais sobre planejamento de comunicação, estratégia e produção de conteúdo?

Assista mais de 200 vídeos em nosso canal do Youtube sobre planejamento de comunicação. Aproveite para se tornar um comunicador mais estratégico!

Confira também 10 livros essenciais sobre comunicação integrada.

06/02/2021 Isabela Pimentel

Contato

Open chat
Precisa de ajuda?
Seja bem-vindo à Comunicação Integrada. Como podemos ajudar?