Nas arenas da comunicação e saúde

04 dez 2014

Com a redução do tamanho das equipes das redações e o crescimento e popularização dos blogs, o papel do jornalismo científico foi sendo alterado, assim como na comunicação e saúde.

O jornalista, desde então, não é mais o único a escrever críticas sobre artigos, comparar resultados de pesquisas nacionais e internacionais e lidar diariamente com novas fontes de informação. A dissseminação das novas tecnologias e evolução das redes móveis fizeram com que a ciência entrasse cada vez mais na pauta jornalística e passasse a fazer parte do cotidiano do brasileiro. Qualquer cidadão que presenciou um fato científico pode fotografá-lo ou se estava em um evento pode conversar com um especialista e depois escrever um texto com suas percepções para postar em sua página pessoal e redes sociais.

Em que medida a forma de comunicar a ciência e a saúde foi alterada pelas novas tecnologias? A credibilidade do jornalismo está sendo posta à prova com a ascensão dos blogs? A verdade é que com o surgimento de novos nichos, há espaço tanto para os que ainda apreciam reportagens científicas mais aprofundadas, em sites e revistas tradicionais, quanto o trabalho de diversos blogueiros que tem tentado aproximar a ciência, cada vez mais, do cotidiano e da vida do cidadão comum.

Cabe ao jornalista reconhecer seu papel estratégico de levar informação científica a população, entendendo-a como uma forma de exercício de seus direitos sociais. Independente do emissor da mensagem, sejam blogueiros ou veículos de comunicação tradicionais, o importante é que haja preocupação com a veracidade das informações e respeito com o leitor, veiculando apenas informações apuradas.

 Texto: Isabela Pimentel

Leia também

Como comunicar  ciência e  visualizar informação?

A ciência, de coração aberto

 

 

Deixe um comentário

04/12/2014 Isabela Pimentel

Vamos juntos?