Comunicação estratégica: vamos pensar em fluxos e redes?

04 jun 2018
Vemos, nas organizações, muitas lideranças reduzindo o trabalho de planejamento estratégico de comunicação à mera criação de planos em planilhas e sua posterior apresentação no formato ppt. Seria só isso mesmo?

Todo trabalho de planejamento de comunicação começa com uma etapa de diagnóstico, ou seja, análise de cenários, que são o micro e o macroambiente. É a partir daí que eu poderei entender melhor o solo em que a mensagem institucional será divulgada.

Também é muito importante que antes de começar um plano integrado de comunicação, existem dois passos importantes para serem seguidos: o mapeamento de fluxos e das redes.

O que são redes de comunicação?

As redes de comunicação podem ser formais, originárias dos chamados fluxos oficiais, ou seja , emitidos pelo setor de comunicação. Outro exemplo seria o conselho editorial e o comitê de colaboradores. Já como rede informal podemos citar os grupos de whatsapp que são formados sem ser a partir de uma iniciativa corporativa.

Além das redes , os fluxos podem ser mapeados, pois impactam na forma como a informação percorre os diferentes setores da empresa. Os principais são:

Fluxo de comunicação ascendente

É quando a informação se dirige do liderado para o líder. É válido para que a alta gestão receba um feedback dos funcionários e suas percepções e pode gerar insights sobre clima organizacional.

Fluxo de comunicação descendente

Ele segue do líder para o liderado, podendo ser chamado também de comunicação vertical ou oficial. Nesse fluxo, são transmitidas normas, regras, políticas institucionais.Para que haja um processo de comunicação equilibrado , esses fluxos devem ser monitorados e acompanhados, para evitar excessos.

Texto: Isabela Pimentel 
*Jornalista, Historiadora e  Especialista em Comunicação Integrada
Imagem: Divulgação   

Deixe um comentário

04/06/2018 Isabela Pimentel

Vamos juntos?