Formação empreendedora gratuita para mulheres ambulantes no Rio

09 jul 2018

Elas enfrentam a batalha das calçadas todos os dias. Nas mãos os produtos mais variados, de frutas a artigos de vestuário e produtos de perfumaria, e a disputa para encantar os clientes. O trabalho de mulheres ambulantes – ou camelôs –  é duro e a concorrência e os desafios são enormes.

Para desenvolver ainda mais o potencial de negócios dessas mulheres, o coletivo carioca Gênero Importa? lançou o projeto ‘Empreendedoras Populares’ voltado para a formação gratuita empreendedora exclusiva para esse público. Ao todo são 50 vagas. As inscrições são gratuitas e vão até o dia 16 de julho no site www.coletivogim.com.br/inscricao. Podem participar mulheres do Rio de Janeiro, dos 18 aos 60 anos de idade, com atuação comprovada nas ruas da cidade.

O intuito a formação é reposicionar mulheres ambulantes a entenderem seu papel como mulheres de negócios e estimulá-las a serem agentes de mudanças em suas realidades. “A melhor qualificação possibilitará um incremento de renda e mais chances de formalização e acesso ao crédito”, afirma Elizete Ignácio, do Gênero Importa?.

A formação acontece numa jornada lúdica, de forma prática e dinâmica, em 5  módulos, onde as participantes são levadas a refletir sobre sua atuação como camelô, até estratégias e ferramentas de gestão e marketing e identificação de oportunidades.  Cada mulher vai construir um mapa da sua jornada para registrar, descrever a planejar novas ações a partir da participação do projeto.

Na linguagem delas

Os módulos oferecidos são:  Quem sou eu na fila do pão? – Primeiros passos sobre se reconhecer como mulher e empreendedora de negócios; Camelô sim, desinformada não! – Orienta as participantes para entender suas atividades como um negócio.

Já no tema No gogó e de olho nas oportunidades – Capacita as empreendedoras quanto às oportunidades do mercado, técnicas de vendas de produto, relacionamento com o público, relação de consumo; Eu e meu produto no mundo  – Orienta sobre compras, formação de preço, estoque (cadeia produtiva), fair trade, economia circular, conceitos gerais de economia compartilhada; Tudo dominado! – Capacita as empreendedoras quanto ao controle de finanças, fluxo de caixa e gestão.

O resultado do concreto do projeto é que através das oficinas, as participantes aperfeiçoem as habilidades já existentes para que saibam elaborar melhor o plano de negócios, plano de metas, gestão financeira, precificação, planejamento de compras e vendas, etc. “Todo conteúdo e linguagem foram desenhados especificamente para essas mulheres, de forma que elas absorvam as informações de maneira simples e que possam aplicar sem muita firula”,  destaca Flávia Domingues, do Gênero Importa?.

O projeto ‘Empreendedoras Populares’ foi contemplado no edital 2018 da Brazil Foundation, organização que apoia iniciativas de impacto social positivo em diferentes estados brasileiros, na categoria desenvolvimento socioeconômico.  A jornada dessas mulheres também poderá ser acompanhada pelas redes sociais e no site do projeto.

“ A gente acredita que ajudar essas mulheres guerreiras a se verem como empreendedoras, se qualificarem e até a conscientizar sobre consumo e os produtos que vendem vai abrir novos caminhos. Mesmo em momentos difíceis há oportunidades de inovação e divulgação”, acredita Thamires Lima do Gênero Importa?

Outras capitais

O projeto piloto acontece no Rio, mas o coletivo tem a intenção de levar a outras capitais. “Esta primeira formação serve de validação da formação e divulgação das primeiras jornadas para inspirar outras mulheres. É um projeto de baixo investimento, de replicabilidade fácil e com impacto direto na base da pirâmide”, conta Raquel Fragoso, Gênero Importa?, sobre os planos do coletivo.

Para se inscrever, é preciso ter entre 18 e 60 anos, ser da cidade do Rio de Janeiro, disponibilidade de horários para participação. Inscrições e maiores informações em www.coletivogim.com.br/inscrição

Sobre o Gênero Importa?

É um coletivo de empreendedoras que trabalham com produção de conhecimento, tecnologia e comunicação para potencializar todas as pessoas comprometidas com as suas ações. Surgiu de uma iniciativa de pesquisa na empresa Clave de Fá e se transformou em um grupo de empreendedoras que trabalham com empresas e instituições que querem deixar um legado positivo para o futuro e doam seu tempo e recursos para transformar a realidades de grupos com pouca visibilidade social.

Informação à imprensa:

Flávia Domingues

21 98449-4041 / flavia@efemais.com

Deixe um comentário

09/07/2018 Isabela Pimentel

Vamos juntos?