Quais são as dores e delícias de um plano de comunicação integrada?

05 fev 2019

Tenho dedicado alguns meses do ano para estudar e fazer cursos de atualização nas áreas de produção de conteúdo, redes sociais e planejamento. Uma das ferramentas que tenho utilizado é a matriz de priorização, que divide as atividades entre importantes, urgentes e circunstanciais (ou não urgentes).

Uma das dores do planejamento é a dificuldade de fazê-lo rodar no dia a dia da empresa, pois muitas vezes, as áreas não solicitarem a criação de peças e campanhas dentro do prazo. Outra dor é quando simplesmente o plano é ignorado e se foca apenas nas urgências e apagar incêndios.

Mas, procuro pensar de outra forma. Uma das maiores delícias do processo de planejamento é o mergulho no universo da empresa, análise de cenários, conversar com os stakeholders, fazer um diagnóstico detalhado, criar metas, estratégias, prazos, envolver o time! Outra coisa boa de ter uma comunicação planejada é que as ações e indicadores de mensuração já estão bem desenhados, sem sobressaltos na criação das campanhas.

 

O planejamento é uma espécie de valor para mim, pois envolve tempo e tempo para mim é vida.  Quando alguém fura algo planejado ou simplesmente não aparece para uma reunião, para mim , não é só um desrespeito a meu tempo,mas também à vida, que é tão curta para ser disperdiçada com falta de compromisso.

Nesse sentido, tenho trabalhado nas consultorias de comunicação com a ideia de priorização e planejamento, pois:

  1. se temos planejamento e procedimentos preventivos, saberemos lidar melhor com crises e incêndios
  2. precisamos ter estratégias e ações planejadas em primeiro lugar, antes de resolver o não-urgente;
  3. evitar a perda de tempo e foco com as interrupções potencializa a execução e processo de planejamento.

 

Texto: Isabela Pimentel 
*Jornalista, Historiadora e  Especialista em Comunicação Integrada
Imagem: Divulgação

 

Deixe um comentário

05/02/2019 Isabela Pimentel

Vamos juntos?