Storytelling: narrativas que engajam

23 dez 2015

A forma de contar histórias e transmitir informações foi alterada de forma profunda com o advento das Novas Tecnologias da Informação e da Comunicação. Cada vez menos unilateral, a comunicação interna aposta em recentes tendências para gerar engajamento e envolver os colaboradores nas narrativas empresariais.  Uma das técnicas é o storytelling, que já vem sendo encarado como ferramenta imprescindível na gestão do conhecimento, na construção da memória organizacional e também na humanização do ambiente de trabalho, por ampliar a sensação de pertencimento entre os colaboradores e a empresa.

A especialista em Comunicação Empresarial, Maria Fernanda Ribeiro, destaca que contar histórias desta forma ajuda a transmitir mensagens, metas e  valores, o que ajuda na retenção do colaborador. Ela acredita que as mídias digitais ampliaram o alcance das narrativas e favoreceram a mensuração do engajamento, para que se possa trabalhar de forma mais assertiva nas campanhas, de acordo com os perfis dos funcionários.

Confira, com exclusividade, a entrevista:

Comunicação Integrada:   Quais as principais tendências?

maria-fernandaMaria Fernanda Ribeiro: Apesar das tendências, nada substitui o primeiro passo da comunicação que é conhecer o seu público para depois estudar as melhores maneiras de impactá-lo. De qualquer maneira, é preciso sempre estar atento às ideias inovadoras de comunicação. Muitas empresas estão usando as redes corporativas e abusando dos conteúdos de audiovisual para reter a atenção dos funcionários. Os vídeos, por exemplo, são peças chaves. Já o formato da história varia conforme as possibilidades da empresa: peças de teatro, um vídeo, um curta-metragem, um conto escrito, uma história em quadrinhos e até a tradicional apresentação de slides são algumas das possíveis maneiras de registrar e compartilhar as histórias corporativas.

Comunicação Integrada: Qual a importância da estratégia para a comunicação interna?

Maria Fernanda Ribeiro: O storytelling favorece o entendimento de questões complexas e ajuda a traduzir a estratégia em ação permitindo que os profissionais tenham uma ideia mais clara sobre os seus objetivos e os da empresa. É possível, por exemplo, incentivar um trabalho mais colaborativo nos seus ambientes de trabalho se o que você quer é renovar os processos de comunicação interna, com a melhoria da performance de projetos e metas internas. Além do mais, o storytelling é uma ferramenta que dá vazão para vozes até então abafadas.

Comunicação Integrada: Que valores podem ser trabalhados no storytelling?

Maria Fernanda Ribeiro:  Todos os valores da companhia podem ser trabalhados pelo storytelling, o que diferencia são as ferramentas que serão utilizadas para atingir a comunicação desses valores. Gislayne Matos, no livro “Storytelling: Líderes Narradores de Histórias”, lembra que toda organização, à medida que evolui, acumula uma série de experiências, casos e aprendizados associados às experiências adquiridas pelas equipes e líderes. Desafios técnicos, de mercado e de gestão, segundo ela, são superados e, muitas vezes, acabam embutidos nos processos operacionais. No entanto, esse tipo de conhecimento, não traz consigo os contextos, valores e as histórias pessoais que ajudaram na evolução da organização.

Comunicação Integrada: Qual a relação entre storytelling e memória empresarial?

Maria Fernanda Ribeiro:  O storytelling é hoje ferramenta imprescindível na construção da memória organizacional, pois ao reter a atenção do colaborador, permite estudar a política organizacional, a cultura e as mudanças, revelando como as questões organizacionais são vistas, comentadas e trabalhadas pelos seus membros. Por meio das histórias, as lições do passado passam a ser mais palpáveis e as possibilidades futuras se tornam mais claras.

Comunicação Integrada: Como pode ajudar a difundir a missão, visão e valores?

Maria Fernanda Ribeiro:  A narrativa do storytelling ajuda a tornar palpável e compreensível as complexas estratégias empresariais e isso auxilia a difundir os conceitos. Nas empresas que sentem dificuldades para captar a atenção de seus funcionários e fazê-los entender todo o universo organizacional, como os princípios, valores e a história da organização em que trabalham, essa ferramenta torna-se uma das mais viáveis porque um história pode ser mais facilmente lembrada do que uma cartilha simples em que a missão, a visão e os valores são simplesmente expostos.

 

Texto: Isabela Pimentel

Imagem: Getty Images

Deixe um comentário

23/12/2015 Isabela Pimentel

Vamos juntos?